29 de outubro de 2012

Emily...




Olá queridos!!
Comprei, na Americanas, um livro da Emily Dickinson. 
Assim que chegar mostro para vocês. 
Enquanto isso, gostaria de deixar uma pergunta: Alguém sabe quem foi Emily Dickinson? Você já leu algum livro dela?

Beijinhos e ótima semana!


Frases: "Não há melhor fragata que um livro para nos levar a terras distantes."Emily Dickinson

27 de outubro de 2012

Resenha: Pedagogia da Autonomia.


Resenha :Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa.


FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa-7. ed. - São Paulo : Paz e Terra, 1998. - 165p



Paulo Reglus Neves Freire, nascido em 1921 foi um educador e filósofo brasileiro. Seu primeiro livro foi Educação como Prática da Liberdade e seu mais famoso livro Pedagogia do Oprimido foi traduzido para o inglês, espanhol e hebraico. Freire de ataque cardíaco em maio de 1997 no Hospital Albert Einstein.



Segundo Paulo Freire em sua obra Pedagogia da Autonomia, a prática torna-se eminentemente importante, pois, ajudando a sair do rotineiro blá, blá, blá para a situação ativo de realizar. Ensinar não é somente “passar um conhecimento”, e sim, criar possibilidades para a produção e construção do mesmo. O autor destaca a interação entre aprender e ensinar, mostrando que quando um sujeito ensina, também aprende e vice-versa. Não sendo, portanto, duas atividades separadas e sim conectadas.
O ser humano é perfeitamente capaz de ir além de seus condicionantes, e deve fazê-lo.
O educador deve constantemente despertar no educando a curiosidade e sua insubmissão, para que este aprenda criticamente. Pois o saber não deve ser simplesmente transferido. Sendo importante para que o educando vá se transformando em sujeito da construção e reconstrução do saber ensinado. O educador deve, portanto, não apenas ensinar o conteúdo, mas acima de tudo ensinar a pensar certo. O mais importante não é a quantidade de e  conhecimento e sim a qualidade. Pensar certo exige reflexão.
O autor diz que ensino e pesquisa estão interligados. E o educador deve transferir aos alunos os conteúdos e quando estes são apreendidos, operam por si mesmos. Ensinar exige uma superação e não uma ruptura, uma certa curiosidade; pois sem esta não haveria criatividade. Sendo assim, os educadores devem despertar ou instigar a curiosidade do educando. O professor deve manter na sua argumentação certa segurança. Deve aceitar o novo e saber preservar o velho que encarna uma tradição ou marca uma presença no tempo. Produzir nos alunos um diálogo constante e uma reflexão crítica sobre a prática. O educando deve fazer e pensar sobre o que está fazendo.  Freire ainda afirma que, tomar consciência do que está fazendo, ajuda a tornar-se um ser pensante, crítico e transformador. È importante sempre questionar.
No segundo capítulo Freire fala sobre o fato de que o professor ao estar em uma sala de aula deve estar atento ao fato de que esta ali para ensinar e não somente transferir conhecimento. Este é um fato que não apenas deve ser apreendido pelo professor e pelo educando, mas também deve ser vivido por eles.
 Um professor crítico é uma ser aberto ao conhecimento e as inovações, consciente de seu inacabamento, pois segundo o autor, onde há vida há inacabamento.  E que tomando conhecimento sabem que as barreiras não se eternizam. Este sujeito estará em um permanente processo social de busca. A curiosidade torna-se neste caso um fato que gera e abre caminhos para o saber. Já a memorização acaba castrando a liberdade do educando de aventurar-se por si próprio. È importante lembrar que homens e mulheres se tornaram educáveis por que primeiramente tiveram a consciência se seu inacabamento, e isso os fez irem busca de sua educabilidade.
O autor também discute sobre autoridade e autoritarismo, licença e liberdade.  O professor assim como o aluno deve conhecer as diferenças entres essas ações. A responsabilidade do professor é extremamente grande, nenhum deles passa sem deixar marca no aluno, deve aprender a respeitar a autonomia, a dignidade e a identidade do educando. O professor tem que gostar do que faz e acreditar que junto com os alunos podem aprender, ensinar, instigar a busca e superar os obstáculos.
No terceiro capítulo o autor aborda sobre o fato de que não se faz necessário estar a todo instante estar falando sobre a autoridade, pois ela por si só se faz presente. Um professor competente exerce sem grandes esforços a autoridade e recebe o respeito dos alunos. A autoridade não está no fato dos alunos permanecerem quietos, não está nos silenciados. mas sim na dúvida que instiga. É sempre possível saber o que ainda não sabe quanto saber melhor aquilo que já sabe.  Mas não pode ensinar aquilo que não sabe. O professor deve ser aquilo que diz. Deve tomar uma posição.
O educador deve saber escutar e não apenas falar. Nessa obra, portanto autor diz que escutar é mais que uma habilidade auditiva, é escutar com abertura à fala, ao gesto do outro. Muitas vezes o professor sem agressão pode sim, agredir o aluno, de maneira até mais forte e permanente. Na relação com o outro que não fez as mesmas escolhas, não se deve impor sua opinião. Viver uma abertura respeitosa ao outro. 
Paulo Freire conclui que o educador não deve instigar os sonhos impossíveis, e tampouco deve negar aos que sonham o direito de sonhar. E que a arrogância intelectual não se faz necessário no educador. Ele acredita que é necessário que o professor perceba seu inacabamento para assim tornar-se um sujeito consciente de suas atitudes.


Pedagogia da Autonomia é um livro de bolso de fácil leitura. O autor aborda temas importantes e muitas vezes esquecidos pelos que estão na sala de aula. Apesar do livro quase parecer uma crítica ao professor, o autor reconhece as dificuldades do educador e as aborda em diferentes ocasiões. Tomado de um discurso regado a buscar a consciência do educador e do educando ele nos leva a percorrer as linhas de sua obra com certa firmeza no que escreve. Porém, por repetir muitas vezes de maneira incansável as mesmas palavras, Freire leva o leitor à exaustão. É preciso ser persistente para chegar até a última página, sendo este um esforço que vale a pena.
Esta obra pode ser perfeitamente lida e relida pelos profissionais da área de licenciatura e seus educando ou qualquer um que queira saber um pouco mais sobre autonomia.

Caixinha de correio: Arqueiro e Sextante.


Recebi o livro de parceria com a Editora Arqueiro e Sextante.

Estou muito contente!!!!

Adorei D++++!!!


Sinopse - Julieta - Anne Fortier

Julie Jacobs e sua irmã gêmea, Janice, nasceram em Siena, na Itália, mas desde os 3 anos foram criadas nos Estados Unidos por sua tia-avó Rose, que as adotou depois de seus pais morrerem num acidente de carro. Passados mais de 20 anos, a morte de Rose transforma completamente a vida de Julie. Enquanto sua irmã herda a casa da tia, para ela restam apenas uma carta e uma revelação surpreendente: seu verdadeiro nome é Giulietta Tolomei. A carta diz que sua mãe havia descoberto um tesouro familiar, muito antigo e misterioso. Mesmo acreditando que sua busca será infrutífera, Julie parte para Siena. Seus temores se confirmam ao ver que tudo o que sua mãe deixou foram papéis velhos – um caderno com diversos esboços de uma única escultura, uma antiga edição de Romeu e Julieta e o velho diário de um famoso pintor italiano, Maestro Ambrogio. Mas logo ela descobre que a caça ao tesouro está apenas começando. O diário conta uma história trágica: há mais de 600 anos, dois jovens amantes, Giulietta Tolomei e Romeo Marescotti, morreram vítimas do ódio irreconciliável entre os Tolomei e os Salimbeni. Desde então, uma terrível maldição persegue essas duas famílias. E, levando-se em conta a linhagem e o nome de batismo de Julie, ela provavelmente é a próxima vítima. Tentando quebrar a maldição, ela começa a explorar a cidade e a se relacionar com os sienenses. À medida que se aproxima da verdade, sua vida corre cada vez mais perigo. Instigante, repleto de romance, suspense e reviravoltas, Julieta – livro de estreia de Anne Fortier – nos leva a uma deliciosa viagem a duas Sienas: a de 1340 e a de hoje. É a história de uma lenda de mais de 600 anos que atravessou os séculos e foi imortalizada por Shakespeare. Mas é também a história de uma mulher moderna, que descobre suas origens, sua identidade e um sentimento devastador e completamente novo para ela: o amor.

SEXTANTE:



Sinopse - Enquanto o amor não vem - Em busca de si e do amor que se deseja - Iyanla Vanzant

Haverá um momento em sua vida em que o amor vai chegar. Antes disso, você terá feito tudo o que podia, tentado tudo o que podia, sofrido o quanto podia e desistido muitas vezes. Mas com a mesma certeza com que você está lendo este texto, posso lhe garantir que esse dia virá. Nesse meio-tempo, este livro vai lhe contar muitas histórias e lhe ensinar algumas coisas que você pode fazer para se preparar para o dia mais feliz de sua vida: o dia em que experimentar o amor verdadeiro. Reconhecida como 'o maior fenômeno editorial de 1998', com mais de 4 milhões de livros vendidos nos Estados Unidos, Iyanla Vanzant se dedica a mostrar como podemos transformar nossas vidas e crescer espiritualmente. 

24 de outubro de 2012

Meme





Olha que lindo meme encontrei no facebook.
É do blog: http://literaturediary.blogspot.com.br/p/campanha.html

Vamos lá responder as perguntinhas, então!


1 - Quem te indicou, ou onde conseguiu/viu o meme?

Eu vi no meu facebook o link e fiquei interessada.


2 - Qual o seu livro nacional favorito?

Laços de Família- Clarice Lispector.

3 - Qual seu autor nacional favorito?

Luiz Fernando Veríssimo.

4 - Um livro nacional que você amou ler e porque? Não vale o seu favorito!

A Galeria Wilson de Maicon Tenfen- eu achei a trama muito legal.
Você fica tentando descobrir o que está acontecendo e o que irá acontecer. Muito bom!


Se tiver resenha no seu blog, deixe o link!

5 - Indique cinco blogs para responder o meme!







As perguntas, para os blogs indicados, são as mesmas que eu respondi. Beijos!




RESENHA FRESQUINHA...






Queridos leitores do blog!

Tem resenha no blog da Amanda

Vamos lá conhecer a opinião dela?

Se puderem, deixem um recadinho para ela.

Agradeço de todo coração!

19 de outubro de 2012

Frase do dia...




“ Quando uma árvore é cortada ela renasce em outro lugar. Quando eu morrer quero ir para esse lugar, onde as árvores vivem em paz.” (Antônio Carlos Jobim, compositor brasileiro)

17 de outubro de 2012

Vale a pena ler de novo.


Olá queridos.
Nas minhas visitas aos blog encontrei esse que é um livro da Novo Conceito. Achei muito interessante e quando reparei no nome do autor, percebi que ele é o mesmo do livro que foi um best seller: A Profecia Celestina. Fiquei muito curiosa para conhecer a obra. Espero ter a oportunidade de adquirir o livro em breve.

Enquanto isso, deixarei vocês com a resenha de A Profecia Celestina que eu escrevi.

Um grande beijo no coração de vocês.




Título: A Profecia Celestina.
Autor: James Redfield
Página: 289
Editora: Objetiva
Ano:1993

Sinopse:


Um antigo manuscrito é encontrado nas florestas peruanas, contendo nove visões que a humanidade precisa conhecer. Este é o ponto de partida do best seller A Profecia Celestina.

A cada capí­tulo o leitor acompanha as aventuras de uma homem em busca da sua própria verdade. Seu destino é chegar no alto das montanhas dos Andes e compreender o significado contido nas nove visões anunciados num velho manuscrito peruano. 
 É a consciência das chamadas "coincidências", uma visão positiva e global sobre a vida humana na terra.

 Resenha: 



É um livro que tornou-se Best seller na década de 90 por tratar-se do descobrimento de um Manuscrito nos Andes peruanos. Relata sobre cada uma das visões e a busca para a melhora, assim como, as experiências de extrair energias das plantas...
Aborda a questão de que estamos extraindo energia das pessoas quando de certa maneira, tentamos manipular para que concordem conosco, para que tenham ideias parecidas com as nossas. Sempre alguém no grupo se sentirá superior, seria como o “líder” do grupo- essas pessoas é que acabam manipulando de maneira inconsciente a todos os outros, pois na realidade não deveria haver o “líder”.

Também aborda a questão da vampirização de energia.
De certo modo, vai contra crenças religiosas, mas o autor abordou de uma maneira tão delicada e respeitosa que não afeta a posição religiosa do leitor.

Acaba nos fazendo refletir sobre a natureza, sobre olhar as flores, observar os detalhes da natureza.

Como é uma história que passa no Peru, país no qual eu vivi durante um ano... e percorri aquelas montanhas...me fez voltar para o lugar durante a leitura, me vi caminhando...lembrei da batatas aos pés das montanhas nevadas, cena digna de retrato. Tudo é tão lindo por lá, e o autor enfatiza a questão da paisagem ser tão linda.
Mas devo advertir que não há muita descrição, o texto está centrado na busca pelo conhecimento das Visões contidas no Manuscrito, eu imaginei os locais com a pouca descrição por conhecer tão bem. Senão, acredito que não seria possível.
Não vou relatar sobre o que fala cada visão, pois faz parte do deleite do leitor.


Minha opinião: Achei o tema interessante, me fez refletir.  Em se tratando dos Andes, local místico e rico nesse tipo de abordagem, o autor poderia ter explorado mais.

RECOMENDO a leitura, por que realmente vale a pena...foi um pouco cansativo no início, mas depois fluiu de uma maneira...Acrescentou muito pra mim como ser humano que busca ser melhor a cada dia e acredita que é possível.

Quote:" ...Mas acredito que ele acha que o papel do homem é participar do cosmos ignorante de conhecimento espiritual; só pela fé." (p.143)


 "Diz a si mesmo que está sendo cauteloso, mas o que faz na verdade é esperar que alguém seja atraído para esse drama(de controle) e tente imaginar o que se passa com você. Quando alguém faz isso, você se mantém vago, obrigando a pessoa a lutar e cavar para discernir seus verdadeiros sentimentos"( p.147)

12 de outubro de 2012

Opinião do leitor.




Opinião da leitora Vivian: "A história é 

integrada ao texto sem ser maçante e

quando percebemos já estamos envolvidos a

 ponto de não conseguir parar de ler entre

 um capítulo e outro."

11 de outubro de 2012

Estranho num mundo estranho IV


Apagou a luz. O marido já estava no quarto e seu filho também. Como de costume, parou em frente ao quarto do filho, e com passos suaves entrou para ver se estava tudo bem com ele.
Era tão lindo ver uma criança repousar. A mais linda imagem do mundo. A prova perfeita de que Deus existia!
Deu um beijo leve de boa noite, apagou a luz e saiu. Foi para seu quarto, o marido roncando, nem a esperara, ronc, ronc, roncava.
Sentou-se em frente à penteadeira, pegou a escova e passou pelos cabelos lisos e loiros que denunciavam sua origem germânica. Vez ou outra recordava-se de quando estava na flor da juventude. Em como era bom arrumar-se para que os rapazes a admirassem e as amigas a invejassem. Fechou os olhos e viu-se com quinze anos, tinha tanta energia, a vida corria por suas veias. Sonhava em viajar o mundo, acabou casando e vivendo num lugar que a fazia se esconder dele. Quanta ironia! Quantos sonhos desfeitos por amor! Um amor que ela nem sabia se era amor, mesmo. Era tudo tão, mas tão diferente no começo. Mal sabia ela, que aquilo era ciência; as três substâncias químicas responsáveis pelo Amor encontravam-se juntas apenas no começo do relacionamento, quando tudo era muito “Amor, I love you.” Depois o organismo se acostumava com as substâncias e se tornava resistente a elas. Era aí que acabava surgindo a separação, as queixas ou o companheirismo.
Abriu os olhos e o que viu, foi uma linda mulher que estava envelhecendo a cada movimento dos ponteiros do relógio. Uma mulher que não tinha mais força, tempo, nem dinheiro para cultivar e cultuar sua beleza.
Levantou-se, apagou a luz, e deitou-se ao lado do marido. O homem pelo qual abrira mão dos seus desejos mais secretos. No início chegou a acreditar que poderia ter tudo o que queria, mas aí, num belo dia, abriu os olhos e se viu com um filho nos braços, marido e animais para cuidar e alimentar. E aos poucos foi deixando de sonhar. Foi permitindo que seus sonhos envelhecessem no cenário dos verbos. E já não tinha mais força para lutar. Havia perdido a esperança nas fantasias de adolescente. Tudo por que, apenas um dia, e depois outro e outro, ela não se permitiu sonhar.




Na folha quero que vocês desenhem qualquer coisa que quiserem desde que tenha água. – disse a professora, enquanto ia de carteira em carteira distribuindo-as.
- Chuva também pode professora? – perguntou um aluno de cabelo espetado.
- Sim Paulo. – respondeu ela, e querendo dar uma de boa mestra aproveitou para acrescentar – Chuva também é água. Nós bebemos a água da chuva.
Um aluno, perto dela, um pouco intrigado, fez um comentário baixinho, mas que a professora ouviu!
- Então não posso desenhar o mar.
- Por que não Lívio? – perguntou ela, surpresa.
- Por que a gente não bebe o mar. – respondeu ele, ao se recuperar do susto, dela o ter ouvido.
A professora riu, diante do raciocínio do jovem aluno e tentou apagar o mal entendido que cometera ao querer explicar.
- O mar, também é água. – disse – A água do mar! Nós não tomamos por que é salgada, mas é água. – finalizou. Ele parecia ter entendido.
Depois do tempo estabelecido, as crianças foram mostrar seus desenhos, e quase todos acabaram desenhando o mar, com dois coqueiros, a areia e o sol, alguns acrescentaram alguém de biquíni ou tomando banho no mar.
- Olhem para seus desenhos. – disse a professora. – Vejam como a água é importante. Sem ela não podemos viver. A água mata a sede, e como é bom! – alguns alunos concordaram e dois aproveitaram para pedir para ir tomar água. Prosseguiu então – Nós lavamos a roupa, fazemos a comida, tomamos banho, regamos as plantas...Precisamos da água, por isso não devemos jogar sujeira nos rios, e nem na rua, por que vai chover e a chuva levará a sujeira para os bueiros que levarão para os rios.
A professora seguiu na sua tentativa de conscientizar os pequeninos. Falou coisas bonitas, que eles não entenderam muito, mas, diziam que era de pequeno que se desentortava o pepino. Se, era verdade, ou não, ela não sabia. Só estava fazendo sua parte como cidadã e como professora.
Seguindo a metodologia.
Por fim, quando terminou de falar, e com alguns alunos cochichando entre si assunto que nem de longe era a água, ela perguntou tentando incluí-los mais afetivamente na aula. Por que a água é legal?
- Por que podemos ir à praia. – respondeu sem delongas Laressa.
Os alunos entraram em estado de euforia ao ouvir aquelas palavras, os que já tinham ido falavam em como era legal e os únicos dois que nunca puseram os pés na areia da praia, ficaram ouvindo atentos. Jê era um deles e o outro era Tiago, um garoto esperto, bonito, mas que nunca fora à praia antes.
A professora olhou para o relógio e como faltavam sete minutos para bater o sinal e todos irem para casa, deixou que a conversa transcorresse, mesmo que tendo fugido um pouco da importância da água e ido parar no prazer de brincar no mar.
Eles estavam aprendendo de qualquer forma. Também era na liberdade que se aprendia. Se a professora sabia disso? Ninguém sabia.
A troca de informação e experiências, é claro, não acorreu na absoluta paz. A professora precisou de todo o jeitinho que só os educadores tinham para tentar controlar um pouco tanta ansiedade.
Por fim, o sinal tocou e as crianças saíram como um foguete em disparada. Quem os visse pensaria que tinham que ir correndo para casa, mas nada disso! Muitos acabavam ficando alguns instantes em frente à escola conversando. A pressa todo era para sair da escola, e não ir para casa.
Vai entender!(M.C.Jachnkee)




8 de outubro de 2012

Novidades na Editora Arqueiro




6 de outubro de 2012

Parcerias!




Olá queridos.
É com muita alegria que eu venho anunciar as três novas parcerias aqui no blog.
Aproveito para agradecer todos os e-mails que recebi.
Vamos lá conhecer?
Enviarei um e-mail para os três blogs avisando.
Muito obrigada,


Irinia Zachello

Giulia Ladislau
Do blog: http://prazermechamolivro.blogspot.com

Solange Brasil
Do blog: http://loveebookss.blogspot.com.br/


----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Decidi abrir duas exceções de parceria especial. Uma é com a leitora Pati que participou de um booktrailer e gostou muito do meu livro e outra é de uma blogueira de Portugal. Bem-vindas, meninas!

Paty

Hayanne Deise da Silva Lins
Blog:
http://profissao-adolescente.blogspot.com.br/

O livro será colocado no correio até dia 10 de novembro.
Agradeço todos que enviaram e-mail.
Beijos!

2 de outubro de 2012

MEGA SORTEIO HALLOWEEN



Quem nunca sonhou em passar um legitimo Halloween na Europa? Nós sonhamos. Por gostarmos tanto desta data queremos motiva-los a gostar também e aos que já gostam queremos comemorar junto, com isso em mente nos unimos e fizemos essa promoção para vocês!

Quem somos nós? Ni (Amor de Livros), Renata (Amor de Livros), Marli (Marli Carmen), Tati (Reader Mommy), Luciano (.Livro), Carol (Fantastic Books) e Elis (A Magia Real).

Os Prêmios:
1º vencedor(a) : A Branca de Neve e o Caçador + Amor em Segredo.
2º vencedor(a): P.S. Eu Te Amo + Amazônia: Um Caminho Para O Sonho.
3º vencedor(a): Garotas de Vidro + A Abatia de Northanger.

As Regras:
* Seguir todos os blog´s:


Funcionamento:
O sorteio será feito pelo Rafflecopter que funciona desta maneira: primeiro vai aparecer as opções obrigatórias e depois as extras, é só preencher o que ele lhe pedir e cada uma delas vale pontos.

a Rafflecopter giveaway
© M.C. JACHNKEE. Powered by Blogger :: Voltar ao topo imagem-logo